Flores Entre Dores


O solo bastante sangrado

Revelando as feridas

Das belas criaturas

Que nele caminham

Desde A Primeira Aurora

Humana...

Estranho nada assim,

Nada...

Por que estranharia

Sangue no solo

Onde nós,

Humanos que fazem

Sangrar todos os solos,

Não sabemos mais

Pisarmos?

Por que estranharia

Se não sabemos mais

Olharmos para

As flores inocentes

No verde sagrado

Dos campos,

Dos jardins,

Das florestas?

Por que estranharia

Se não sabemos mais

Que Ela,

A Deusa Flora,

A Alegre,

A Feliz,

A Eterna Flor Alta

Da Terra,

Nos aguarda de

Braços abertos

Na Senda Alegre

Da Felicidade Eterna

De Todas

As Flores Altas

Da Terra?

As pedras das cidades,

Os túmulos das cidades,

Inativas,

Inativos,

Nada de flores

Em seu aspecto

Eternamente apaziguador

Das diferenças,

Das indiferenças,

Das inimizades,

Das guerras...

Guerras...

A Deusa Flora,

Deusa Majestosa

Entre As

Flores Inomináveis

Dos Jardins

Inomináveis,

Majestade Alta

Da Celeste Inominabilidade

Das Verdades

Naturais Das

Flores Eternas,

Planta Flores

Em nossos Destinos,

Colhe Flores

À nossa frente,

Rega As Flores,

Aquelas Flores,

Que pisoteamos

Escolhendo Destinos

Isentos de quaisquer

Flores...

A Deusa Flora

Entre As Fadas

Mais Floridas,

As Fadas Das Flores,

Mantém Seu Sorriso,

Mantém A Sua Alegria,

Mantem A Sua Felicidade,

Mantém-Se Flor Eterna Alta,

Mesmo com o avanço

Do nada florido

Homem

Pelos campos,

Pelas florestas,

Pelos jardins,

Assassinando

A todas as flores,

Assassinando

A todas as flores,

Assassinando

A todas as flores...

A Deusa Flora

Lança Pétalas...

A Deusa Flora

Lança-As,

Mesmo Sabendo

Que nós humanos

Não saberemos

Apreciá-las...

A Deusa Flora

Lança-As,

Mesmo Sabendo

Que nós humanos

As pisotearemos...

A Deusa Flora

Lança-As,

Mesmo Sabendo

Que nós humanos

As assassinaremos...

Pétalas De Flores

Eternas Altas

De Uma Deusa

Tão Antiga Quanto

Este Universo

Tornadas Pétalas

De Dores

Para Toda

A Natureza

Terrestre...

Flores

E

Dores...

Flores

E

Dores:

Nós,

Humanos

Desumanos,

Somos capazes

De assim fazermos

Com As Dádivas

De Uma Deusa

Que Apenas Almeja

Que Todos Nós

Sejamos Caminhantes

De Caminhos Floridos.

Caminhos Floridos,

Mesmo dolorosos.

Caminhos De Lições,

Mesmo dolorosos.

Caminhos De Evoluções,

Mesmo dolorosos.

Comentários

Pedro Paulo Rosa disse…
Olá!!!

Adorei a sua poesia, muito emocionante.

Você poderia, por favor, me dar uma sugestão de livro sobre a Deusa Flora???

Muito obrigado, peço qu eenvie para o meu e-mail:

pedroramoscultura@yahoo.com.br

Postagens mais visitadas