Relógios E Tempos


O ponteiro neste

manco lugar,

a luta há,

a luta do futuro

contra presentes

que pesam em nossos

mundos de outro lar.


Uma hora:

o ponteiro roga.


Duas horas:

o ponto ora.


Três horas:

o ponteiro gera.


Quatro horas:

o ponteiro grita.


Cinco horas:

o ponteiro ruge.


Seis horas:

o ponteiro equilibra.


Sete horas:

o ponteiro aperfeiçoa.


Oito horas:

o ponteiro julga.


Nove horas:

o ponteiro caminha.


Dez horas:

o ponteiro brilha.


Onze horas:

o ponteiro vence.


Doze horas:

o ponteiro enforca-se.


Treze horas:

o ponteiro renasce.


Quatorze horas:

o ponteiro derrama-se.


Quinze horas:

o ponteiro abre-se.


Dezesseis horas:

o ponteiro cai.


Dezessete horas:

o ponteiro conduz.


Dezoito horas:

o ponteiro uiva.


Dezenove horas:

o ponteiro aquece.


Vinte horas:

o ponteiro toca.


Vinte e uma horas:

o ponteiro enlouquece.


Vinte e duas horas:

o ponteiro transforma-se.


Vinte e três horas:

o ponteiro captura.


Vinte e quatro horas:

o ponteiro quebra.


E é aqui que nós,

humanos escravos

do ponteiro que nos comanda

nos quebramos e espalhamos

nossos pedacinhos

em redor

de Cronos.


Como assim seremos

uma inteira hora?


Inominável Ser

POR

VINTE E QUATRO

HORAS

QUEBRANDO-SE







Comentários

Postagens mais visitadas