Iguais A Faetonte


The Fall of Phaeton - Pieter Paul Rubens


Como Faetonte,
cria de Apolo
e Climene,
orgulhosamente
tentamos manobrar
a Carruagem Solar
nesta Era feroz
da Desgraça Contemporânea
atroz!

E somos tolos.

E somos tortos.

E somos mofo.

E somos lodo.

E somos cinzas.

E somos fumaça.

E somos pó.

E somos fulminados.

Fulminados pela nossa
bruta arrogância
em querermos brilhar
mais do que
os Sóis Universais,
que em uníssono
Cantam As Glórias
Da Grande Mãe Cósmica!

E somos castigados.

E somos condenados.

E somos rasgados.

E somos aprisionados.

E somos torturados.

E somos estuprados.

E somos esquartejados .

E somos decapitados.

E somos fulminados.

Já não brilhamos mais,
a Dourada Era
extinguiu-se,
Orfeus não buscam
mais Eurídices,
Perseus não libertam
mais Andrômedas,
Teseus não buscam
mais Velocinos,
apenas somos como
o infantil Faetonte,
sendo fulminados
ao tentarmos,
aqui deste pó,
nos elevarmos
aos Celestes Arcos
Reais!

E somos arrasados.

E somos pressionados.

E somos destronados.

E somos apagados.

E somos esquecidos.

E somos ultrapassados.

E somos descompassados.

E somos interrompidos.

E somos descontinuados.

E somos fulminados...

Sempre fulminados.

Apenas fulminados.

Prolongadamente...

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

FULMINADOS!!!

Inominável Ser
UM RELES
FULMINADO




Comentários

Postagens mais visitadas